• thumb image

    Greve no Sistema Bancário: Defesas do Consumidor para evitar prejuízos em razão da paralisação dos serviços.

    Categoria: Consumidor • segunda-feira, 19 outubro - 2015 •

    A atividade bancária é essencial aos cidadãos, nesse sentido, não pode ser paralisada, interrompida ou suspensa. Ocorre que devido recente paralisação por causa da greve no sistema bancário, muitos consumidores têm sofrido com os efeitos desta, à medida que milhares de operações estão deixando de ser realizadas.

    Em tempos de crise, prejuízos sofridos por falta de atendimento bancário podem ser devastadores na vida de microempresas e pessoas físicas que necessitam do devido atendimento bancário. É que algumas operações bancárias, muitas vezes, só podem ser realizadas no estabelecimento bancário, seja por motivos de segurança, seja por imposição das referidas instituições. Só a título de exemplo, alguma instituições estabelecem limites de transferência, ou limites de depósito em caixa eletrônico, o que pode obstacularizar realização de inúmeros negócios jurídicos.

    Assim, por se tratar de atividade essencial, não pode esta ser paralisada por completo, devendo os bancários manter um percentual mínimo de serviços ao consumidor.

    Durante esse período de movimento paredista, alguns consumidores vêm reclamando que não estão conseguindo resolver problemas junto às instituições financeiras, tais como, casos de negativação indevida, cobrança de taxas abusivas em conta-corrente, problemas com cartão de crédito e débito, renegociação de dívidas, entre outros.

    Desse modo, os consumidores que se sentirem lesados com o movimento grevista, devem primeiramente registrar suas reclamações junto ao órgão competente, neste caso, o PROCON de sua região, como intuito de fazer prova de sua insatisfação. Em seguida, caso se sintam lesados materialmente, ou moralmente, podem procurar o poder judiciário.

    Neste caso, a contratação de um Advogado é de fundamental importância, tendo em vista os desdobramentos que uma ação judicial pode ter, mesmo em sede de juizados especiais em causas de menos de 20 salários mínimos, para que os direitos dos consumidores lesados sejam a eles garantidos na forma integral, bem como tenham a devida reparação, caso haja violação de seus direitos como consumidores.